CONNECTENG

COMO DIMENSIONAR PEÇAS ESTRUTURAIS MAIS EFICIENTES

Aprenda a dimensionar em Concreto Protendido com exemplos práticos e detalhados
As vantagens de aprender com a gente!
APRENDA COM QUEM SABE:

O Professor Rafael Alves de Souza é doutor em Engenharia de Estruturas e tem mais de 15 anos de experiência em projetos estruturais

CONTEÚDO DE QUALIDADE:

Um conteúdo riquíssimo. Aprenda a dimensionar descobrindo desde do que é a protensão até os cálculos mais avançados de peças protendidas

PÚBLICO ALVO RECOMENDADO:

Realiza projetos de estruturas? Ou se você está se formando em Engenharia e quer trabalhar com estruturas: Essse curso é para você!

EXEMPLOS REAIS:

Entenda os métodos utilizados pelo professor Rafael Souza: como agir em situações e dificuldades do dia-a-dia como projetista estrutural

Sobre o Curso

Assista ao lado, no primeiro vídeo o professor Rafael falando mais um pouco da sua trajetória a respeito do concreto protendido.

Neste curso, dividido em 29 Aulas, apresentamos um conteúdo extremamente detalhado. Você irá aprender desde os conceitos mais básicos de protensão, passando pelas verificações de estado limite último (ELU) e de utilização (ELS). De maneira a firmar os conceitos, apresenta-se o cálculo completo de uma viga protendida. Também são apresentados:

  • Vantagens e desvantagens do concreto protendido;
  • Exemplos de protensão e pré-dimensionamento da seção;
  • Propriedades dos materiais para protensão;
  • Tipos de protensão (completa, parcial e limitada) e Sistemas de protensão (pré-tensão com aderência, pós-tensão com ou sem aderência);
  • Equipamentos utilizados em protensão (macacos hidráulicos, cunhas, bainhas, etc.);
  • Cálculo de características geométricas (área, modulo de resistência e momento de inércia da seção de concreto e da seção homogeneizada);
  • Traçado dos cabos de protensão;
  • Perdas imediatas: perdas por atrito, perdas por cravação das ancoragens e perdas por encurtamento elástico do concreto;
  • Perdas progressivas: perdas por retração do concreto, perdas por fluência do concreto e perdas por relaxação do aço;
  • Combinações de carregamento em ELU e ELS;
  • Dimensionamento de seções protendidas para estado limite de utilização;
  • Verificação de peças protendidas em ELU (Flexão e Força Cortante);
  • Verificação de peças protendidas em ELS (Flechas e Abertura de fissuras).

Conteúdo do Curso

Breve História de Rafael Souza Com a Protensão

Nesta aula iremos descobrir o que é o concreto protendido e do que se tratam as estruturas protendidas;

Vamos aprender a história da protensão e a chegada da protensão no Brasil.

E por fim, analisaremos quais são as vantagens do concreto protendido com relação ao concreto armado;

Neste módulo você já irá compreender as combinações do Estado Limite de Serviço (ELS):

Combinações Quase-Permanentes (CQP), Frequentes (CF) e Raras (CR)

Apresentam-se ainda as verificações necessárias em cada uma das combinações, tanto para flechas quanto para abertura de fissuras.

Entenderá o que são os estados limites que devem ser verificados durante o dimensionamento da protensão;

Os sistemas de protensão não devem ser confundidos com os tipos de protensão. Nessa aula você irá aprender a diferenciar sistemas e tipos de protensão. Sistema de Protensão: Aderente ou Não-Aderente:  Pós-tensão ou Pré-tensão;

Tipos de protensão:  Protensão Completa, Limitada ou Parcial;

Descubra quais as vantagens de cada uma das opções e quais são as mais utilizadas no mercado.

Descubra como funciona a técnica da pré-tensão com ou sem aderência!

A pré-tensão é muito utilizada em lajes, estacas e vigas pré-moldadas.

Em geral são feitas em pistas de protensão dotadas de uma cabeceira metálica, um macaco de protensão e as formas de concreto.

Aprenda todo o processo de como é feita a protensão nessas peças, utilizando a técnica da pré-tensão

Descubra como funciona a técnica da pós-tensão com aderência.

Nessa técnica, após a peça estrutural ser concretada, são aplicadas as forças nos cabos de protensão.

Veja quais são os elementos necessários para que você possa aplicar essa técnica em seus projetos.

Descubra como funciona a técnica da pós-tensão sem aderência.

Nessa técnica, após a peça estrutural ser concretada, são aplicadas as forças nos cabos de protensão, que neste caso devem estar envovidos por uma bainha de PEAD engraxada (ou material semelhante).

Veja quais são os elementos necessários para que você possa aplicar essa técnica em seus projetos.

 

Descubra quais são os requisitos para o concreto estrutural receber uma protensão.

Para estruturas protendidas é necessário um controle de qualidade do concreto muito rigoroso. Ao introduzir a força de protensão, pode-se causar solicitações prévias muito elevadas e frequentemente mais altas que as correspondentes em uma situação de serviço!

A faixa de resistência do concreto recomendada do concreto é: 30MPa < fck< 40Mpa

Nesta aula você irá aprender quais são os aços utilizados para protender as estruturas. Esse material se caracteriza por ter uma resistência elevada e pela ausência de um patamar de escoamento.

Descubra quais são os componentes de aço que são encontrados em uma estrutura protendida:

- Fios de Protensão;

- Cordoalhas;

- Barras de aço-liga de alta resistência;

Veja como deduzir e calcular as propriedas de uma seção de concreto e aço, homogeneizada. O cálculo da seção homogeneizada é fundamental para que possamos ter um cálculo mais preciso das tensões que vão atuar na seção de concreto protendido.

9.1 Dedução do centro de gravidade da seção homogeneizada;

9.2 Área da seção homogeneizada;

9.3 Momento de Inércia da seção homogeneizada;

9.4 Exercício prático do cálcul da seção homogeneizada para uma viga de seção 20x50cm

As perdas imediatas de protensão acontecem por três fatores:

- Deformação imediata do concreto;

- Atrito dos cabos;

- Encunhamento (acomodação das ancoragens);

Nesta aula veremos as expressões necessárias para o cálculo da perda por deformação imediata do concreto.

Veja um exemplo prático da perda por deformação imediata do concreto na pré-tensão com aderência;

As perdas imediatas de protensão acontecem por três fatores:

- Deformação imediata do concreto;

- Atrito dos cabos;

- Encunhamento (acomodação das ancoragens);

Nesta aula veremos exemplos de cálculo da perda por deformação imediata do concreto.

Veja um exemplo prático da perda por deformação imediata do concreto na pós-tensão;

As perdas imediatas de protensão acontecem por três fatores:

- Deformação imediata do concreto;

- Atrito dos cabos;

- Encunhamento (acomodação das ancoragens);

Nesta aula veremos um exemplo para o cálculo da perda por deformação imediata do concreto na pós-tensão

As perdas imediatas de protensão acontecem por três fatores:

- Deformação imediata do concreto;

- Atrito dos cabos;

- Encunhamento (acomodação das ancoragens);

Nesta aula veremos as expressões necessárias para o cálculo da perda devido ao atrito dos cabos ou cordoalhas na protensão;

As perdas imediatas de protensão acontecem por três fatores:

- Deformação imediata do concreto;

- Atrito dos cabos;

- Encunhamento (acomodação das ancoragens);

Veja um exemplo prático da perda por atrito em uma viga de concreto protendido;

As perdas imediatas de protensão acontecem por três fatores:

- Deformação imediata do concreto;

- Atrito dos cabos;

- Encunhamento (acomodação das ancoragens);

Veja as deduções para o cálculo das perdas por encunhamento ou perdas por acomodação das ancoragens.

As perdas imediatas de protensão acontecem por três fatores:

- Deformação imediata do concreto;

- Atrito dos cabos;

- Encunhamento (acomodação das ancoragens);

Veja um exemplo prático para o cálculo das perdas por encunhamento ou perdas por acomodação das ancoragens.

As Perdas progressivas em uma peça de concreto protendido são aquelas que acontecem ao longo do tempo.

Para as perdas progressivas que acontecem devido ao material concreto, podemos ter perdas por:

- Retração;

- Fluência;

Nesta aula iremos deduzir as expressões referente as perdas progressivas devido a retração do concreto.

As Perdas progressivas em uma peça de concreto protendido são aquelas que acontecem ao longo do tempo.

Para as perdas progressivas que acontecem devido ao material concreto, podemos ter perdas por:

- Retração;

- Fluência;

Como continuação da aula 17.1, nesta aula iremos ver um exemplo prátcio de perdas progressivas devido a retração do concreto.

As Perdas progressivas em uma peça de concreto protendido são aquelas que acontecem ao longo do tempo.

Para as perdas progressivas que acontecem devido ao material concreto, podemos ter perdas por:

- Retração;

- Fluência;

Nesta aula iremos deduzir as expressões para o cálculo das perdas progressivas devido a fluência do concreto.

As Perdas progressivas em uma peça de concreto protendido são aquelas que acontecem ao longo do tempo.

Para as perdas progressivas que acontecem devido ao material concreto, podemos ter perdas por:

- Retração;

- Fluência;

Nesta aula iremos realizar o cálculo de uma viga protendida considerando as perdas progressivas devido a fluência do concreto.

Perdas progressivas no concreto protendido, são aquelas que acontecem ao longo do tempo. No que tange ao aço, as perdas progressivas ocorrem básicamente devido a relaxação das armaduras. Nesta aula deduziremos as expressões para o cálculo dessas perdas.

Perdas progressivas no concreto protendido, são aquelas que acontecem ao longo do tempo. No que tange ao aço, as perdas progressivas ocorrem básicamente devido a relaxação das armaduras. Nesta aula veremos um exemplo prático para o cálculo dessas perdas.

No momento da protensão, diversas tensões solicitam o concreto. Portanto, é extremamente importante calcular as tensões e dimensionar as peças a serem protendidas para que tenham resistencia e não sofra nenhum tipo de dano durante a protensão.

Nesta aula veremos como determinar as tensões que atuarão no concreto durante o ato da protensão. Veremos também quais serão os estados em que a peça estará o roteiro de cálculo para dimensionamento da estrutura protendida.

Após calcular todas as perdas e dimensionar os cabos em ELS, é necessário verificar a estrutura em ELU. Nesta aula apresentamos o cálculo da Armadura Passiva para Flexão.

Após calcular todas as perdas e dimensionar os cabos em ELS, é necessário verificar a estrutura em ELU. Nesta aula apresenta-se um exemplo prático do cálculo da Armadura Passiva para Flexão.

Após calcular todas as perdas e dimensionar os cabos em ELS, é necessário verificar a estrutura em ELU. Nesta aula, além de apresentar a teoria necessária à verificação para força cortante, apresentamos um exemplo prático.

A armadura de fretagem, corresponde as armaduras próximas a área de aconragem, e para evitar fissuração, deve ser armada de forma apropriada.

Nesta aula o professor Rafael, apresenta alguns cases em que o Concreto Protendido foi utilizado em suas obras. Além disso, ele disponibiliza o memorial de cálculo utilizado em sua primeira obra!

Com o auxílio do software TQS, veremos como fazer o cálculo de uma laje lise de concreto armado e protendido.

Na última aula do curso veremos algumas referências bibliográficas propostas pelo professor Rafael para compor a sua biblioteca de apoio.

Bônus: Veja a trajetória do professor Rafael como empresário e engenheiro em seu escritório de engenharia e arquitetura.

Sobre o ministrante

Curso ministrador por Rafael Alves de Souza, Engenheiro Civil.

Mestre em Engenharia de Estruturas pela Universidade Estadual de Campinas em 2001.

Doutorado-Sanduíche em modelagem computacional (análise não-linear), análise experimental e dimensionamento de elementos especiais de concreto na Universidade do Porto, Portugal, em 2003.

Doutor em Engenharia de Estruturas pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo em 2004. Pós-doutor pela University of Illinois at Urbana-Champaign, Estados Unidos, em 2006.

Pós-doutor pela University of Massachusetts Amherst, Estados Unidos, em 2015.

Em 2011, realizou estágios de curta duração em nível de pós-doutorado na École Politécnique Fédérale de Lausanne (Suíça) e na Technologic University of Delft (Holanda) com ênfase na análise e dimensionamento de estruturas especiais de concreto estrutural utilizando o Stress Fields Method e o Stringer-Panel Method.

Agraciado com a Primeira Menção Honrosa para Teses de Doutorado em Estruturas no ano de 2006, em concurso promovido pelo Instituto Brasileiro do Concreto.

Agraciado com o Prêmio Fernando Luiz Lobo Barbosa Carneiro Destaque do ano em Pesquisa de Concreto Estrutural em 2017, pelo Instituto Brasileiro do Concreto (IBRACON).

É Professor Titular da Universidade Estadual de Maringá, onde atua desde 2002, tendo ministrado as disciplinas de Resistência dos Materiais, Mecânica das Estruturas, Sistemas Estruturais, Estruturas em Concreto Armado e Protendido, Estruturas Pré-Moldadas e Projetos.

Autor de projetos estruturais, consultor em modelagens estruturais, laudos e ensaios experimentais.

Autor de diversos artigos científicos nacionais e internacionais, publicados tanto em congressos quanto periódicos indexados.

Membro do Conselho Editorial da Revista Acta Scientiarum e revisor da revista internacional ACI Structural Journal (Estados Unidos).

Atua em perícias estruturais, tendo participado em 2006, junto com colegas da University of Illinois, de laudo complementar sobre o colapso do Cassino Tropicana, Atlantic City, New Jersey, em 1994. Em 2008, participou do laudo sobre a queda frágil das 15 sacadas do Edifício Don Gerônimo, em Maringá-PR.

É membro do grupo de pesquisa GDACE/UEM (Grupo de Desenvolvimento e Análise do Concreto Estrutural Universidade Estadual de Maringá - http://www.gdace.uem.br). Ex-coordenador da área de Estruturas da Universidade Estadual de Maringá e ministrante de mini-cursos sobre concepção estrutural, estruturas pré-moldadas, análises numéricas com o Método dos Elementos Finitos (ADINA, DIANA e ATENA) e dimensionamento utilizando o Método das Bielas.

É Membro do Instituto Brasileiro do Concreto desde 2002 e membro do American Concrete Institute desde 2006, participando dos comitês 445 - Shear and Torsion e 447- Finite Element Analysis of Reinforced Concrete Structures.

É Membro do Comite CT301 da Associação Brasileira de Normas Técnicas, desde 2007, com objetivo de Revisão da NBR6118 (Projeto de Estruturas de Concreto - Procedimento).

Membro da Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural (ABECE). Foi Pesquisador Produtividade (Nivel 2 e 1-D) do CNPq entre 2009 e 2016.

É sócio-diretor da Engracon Engenharia e Arquitetura Ltda e da Engrafix Construções Ltda.

Tenho Interesse

Bônus

Dúvidas frequentes

Tenha acesso à lista de perguntas e respostas mais frequêntes de outros alunos sobre o tema do curso. Você também poderá contribuir com suas perguntas.

Material Exclusivo

Tenha acesso ao material exclusivo dos alunos CONNECTENG, com exemplos práticos e documentos relacionados ao curso.

Cupom desconto

Ganhe um cupom de desconto exclusivo para outros cursos do site. 

Conteúdo Extra

Tenha acesso ao material complementar do curso. São planilhas, documentos e arquivos que foram compartilhados pelo Professor.

Contato com o Professor

Entre em contato com o professor do curso. Mande suas perguntas e sugestões. Tenha acesso a todas as novidades do Professor do curso.

Depoimentos

O CURSO JÁ ESTÁ DISPONÍVEL E 100% ONLINE. VOCÊ PODE ASSISTIR DE ONDE E QUANDO QUISER. APÓS A AQUISIÇÃO, O CONTEÚDO FICARÁ DISPONÍVEL PARA O ALUNO POR 180 DIAS A PARTIR DA DATA DE COMPRA. INSCRIÇÕES ABERTAS POR TEMPO LIMITADO!